#lei

O Terror Mora ao Lado

- Oi você deve estar se perguntando o que eu estou fazendo aqui não é mesmo?

- Eu vou explicar.

- Em um dia como hoje, uma tarde de quarta-feira imagine-se conversando com seus amigos sobres lendas sobrenaturais e mitológicas.

- Bom esse era meu caso, eu estava em casa com amigos meus, e estávamos animados com uma idéia muito maluca que havíamos pensado e no momento pareceu muito boa.

- Mais tarde no mesmo dia continuamos com a idéia. Qual era a idéia? Simplesmente invadir lugares assombrados pela cidade, casas abandonadas, a floresta que fica na beira da cidade e a fábrica abandonada.

- Agora por que estávamos fazendo isso? Por que éramos crianças que sempre gostava de procurar encrenca e perigo por todo os lugares mas este dia foi diferente, este simples dia em uma tarde de quarta-feira se transformou no dia em que tudo fez menos sentido.

- Saímos de casa e partimos rumo a nossa primeira jornada as casas mal-assombradas que existiam pela cidade, coloquei-me a guardar as ferramentas que precisaríamos pelo dia então as coloquei na mochila e fui de encontro com meus amigos que me esperavam em nossa base secretam, eles estavam a minha espera, então logo que cheguei fomos para as casas que não ficavam muito perto, mas como estávamos todos de bicicleta poderíamos nos mover rapidamente se acontecesse algo.

- Chegamos em frente de uma casa de dois andares toda destruída e queimada, olhei para meus amigos e eles me encararam também, pareciam estar com medo mas não admitiram então os perguntei se queriam desistir de tentar, e eles claro disseram que não, mal pensávamos que essa decisão mudaria nosso dia.

- Entramos na casa, já que estávamos em frente a mesma, pegamos nossas lanternas nas mochilas e andamos cada um observando uma parte diferente da casa, então querendo me certificar que todos estavam bem peguei meu comunicador que estava na bolsa e o liguei escutando seu chiado, logo soube que estava funcionando normalmente, então tentei entrar em contato com meus amigos que estavam em outro local da casa.

- Quando eles atenderam o comunicador perguntei a eles se haviam visto algo de diferente na casa ou pelo menos se virão que a casa estava mesmo abandonada, eles começam a perder a sintonização e tudo fica mudo, então começo a chamar por seus nomes andando pela casa já meio desesperado e os vejo do lado de fora da casa pela janela do corredor da casa vou até a janela e os chamo de lá de cima mas eles não me ouviam, então vou em direção as escadas para descer em direção a eles, abro a porta e vejo que lá eles já não se encontravam lá então me coloquei a pensar onde eles estariam pensei que poderiam estar nos fundos da casa então saio da casa e vou para os fundos os procurando e não os vejo então os chamo por seus nomes e escuto um barulho dentro da casa corro até lá e não vejo nada subo até o próximo andar na esperança de encontrar algum dos dois mas não vejo nada, paro no corredor com medo e desespero, a mente nublada e imersa em inúmeros pensamentos do que havia ocorrido com eles.

- Encostado na parede da casa grito por eles até que minha voz e ar se esvaziam lentamente pelo ar que antes era de calor e suor agora havia se tornado frio, um silê0ncio enlouquecedor pelo local até o momento em que escuto um movimento de pés no solo de madeira que grunhia aos pisos lentos e com seu toque de perigo que emanava do local, eu como não queria ficar ali parado pego minhas coisas que estavam ao chão jogadas depois do medo e desespero que senti, então corro em um ato de esperança em direção a saída, até que sinto algo me puxar até um local que sou jogado em um quarto em cima de algo desconfortável abro meus olhos e observo em volta do local olho para baixo e vejo meus amigos ensanguentados e dilacerados, então me levanto e vou até a porta que estava entreaberta e olho pelo vão da mesma vendo uma figura grande e assustadora de algo que não soube identificar então volto pra dentro me sento ao canto do quarto e me encolho fechando os olhos fortemente e voltando a escutar seus passos lentos e amedrontadores chegarem cada vez mais perto da sala, levanto meu rosto e o vejo em minha frente tão perto, ele ergue as mãos e me ataca ali mesmo sem nenhuma hesitação.

- Então nas semanas seguintes os pais dos garotos por seus desaparecimentos repentinos os procuravam por toda a cidade sem sucesso ninguém até os dias de hoje sabe como ocorreu, e bom esta história contada foi um de milhares de rumores que estão soltos pela cidade, se virem algo que pareça suspeito ou que de uma boa história de terror não vá conferir, fecho o livro e me despeço dos alunos saindo da sala.



186





Acesse

Oferecimento


© 2016 Contaí. Todos os direitos reservados ao CEM Ir. Acácio | Desenvolvido por Ponks Software Development